Diretores da Vale receberão R$ 19 milhões por desempenho em 2019, ano da tragédia

Valor aprovado por assembleia de acionistas é referente ao ano que ocorreu o rompimento da barragem do Córrego do Feijão em Brumadinho, deixando 272 vítimas; decisão revoltou familiares e vítimas em Brumadinho


Destruição causada pela lama em 2019. Imagem: Vinícius Mendonça/Ibama

O ano do rompimento que deixou 272 vítimas, 11 ainda desaparecidas, rendeu aos diretores da Vale, mineradora responsável pela barragem do Córrego do Feijão, o pagamento de R$ 19,1 milhões como prêmio por desempenho. Entre os beneficiados estão quatro executivos que desempenhavam função de direção à época e que foram indiciados por homicídio duplamente qualificado, juntamente com o ex-presidente da mineradora Fabio Schvasrtsman e mais dez funcionários.


A assembleia que aprovou os bônus, realizada no dia 30 de abril, também decidiu retomar e distribuir outros R$ 29,8 milhões referentes ao desempenho em 2018. Os valores foram suspensos logo após a tragédia e serão divididos entre executivos que não estão sendo investigados.


A notícia revoltou familiares e vítimas da tragédia que também deixou centenas de desabrigados, arrasou a economia de Brumadinho, o rio Paraopeba e populações as suas margens.


Mesmo com um prejuízo de US$ 1,68 bilhão em 2019, a companhia entendeu que os executivos cumpriram metas de sustentabilidade e reparação de danos do desastre. Em balanço divulgado no dia 28 de abril, a Vale registra que pagou R$ 3,6 bilhões em indenizações e ações emergenciais, para 7 mil pessoas.


Os quatros executivos na direção da empresa durante o rompimento que receberão o bônus são Luciano Siani, de Suporte ao Negócio, Alexandre Pereira, de Relações Institucionais, Luiz Eduardo Osório e o atual presidente Eduardo Bartolomeo, à época diretor de Não Ferrosos.


Sócios minoritários e o BNDES votaram contra a decisão, mas foram votos vencidos diante dos acionistas que detém 60% das ações, entre eles o Bradesco e Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.


Comunicado da Avabrum

A notícia revoltou a população de Brumadinho. A Associação dos Familiares de vítimas e atingidos do Rompimento da Barragem de Córrego Feijão em Brumadinho (Avabrum) divulgou a seguinte nota:


“Para a Avabrum, a informação do retorno da premiação/bônus aos acionistas e diretores da Vale é mais uma afronta e motivo de indignação das famílias das 272 vítimas. Vidas que foram ceifadas, por uma empresa que gerenciou por anos a cultura do erro, mas que em placas e processos internos prega a vida em primeiro lugar” comunicou a Avabrum em nota.


Em janeiro deste ano, a Polícia Federal e o Ministério Público divulgaram o relatório final, no qual é fato consumado que a Vale sabia das condições de risco da Barragem BI e outras nove barragens no Brasil. No entanto, com uma cultura enraizada em administrar erros, optou por deixar como está, negligenciou números, laudos e hoje vivemos o luto de 272 vidas.


No relatório desses órgãos competentes, 16 pessoas foram indiciadas e até o presente momento ninguém foi preso. Se a empresa está preocupada em recompensar seus acionistas e diretores, deveria primeiro pensar na reparação de todas as 272 famílias e comunidades atingidas.


Em julho de 2019, a Vale fechou um acordo aviltante de indenização trabalhista com Ministério Público do Trabalho (MPT) e durante meses, lutamos para que as indenizações fossem próximas do que a própria Vale informava em seus relatórios executivos, que num eventual rompimento da Barragem B1, que cada familiar de vítima receberia uma quantia próxima a R$ 10 milhões. Porém, o acordo firmado ficou muito abaixo deste patamar e muitos familiares que aderiram a este acordo logo após a celebração do mesmo, ainda aguardam o pagamento, principalmente os valores devidos pelo DANO MATERIAL, que hoje é objeto de divergências para várias famílias, devido às discordâncias no cálculo do dano material.


Há situações de divergências, que a empresa manifesta no processo posicionando contraria aos valores, o que cria ainda mais morosidade ao processo e dor aos familiares. O sofrimento dos familiares é grande demais, continuamos presos a lama do dia 25 de janeiro de 2019. Vida não tem reparação. Seguimos aguardando o retorno das buscas e o encontro das 11 JOIAS (11 famílias que ainda não tiveram o direito de sepultar seus familiares). Nesse momento de Pandemia, as operações da Vale/SA seguem, mas as buscas foram interrompidas. Nossas vidas estão paralisadas também, pois seguimos aguardando nossas 11 JOIAS. Nos solidarizamos com as famílias que perderam suas JOIAS pelo COVID-19 e sabemos a dor que é não poder se quer despedir de seu ente querido. Não vamos desistir até encontrar a última joia! Onze pessoas ainda estão desaparecidas”.

Informação

Receba nossas notícias

e justiça social

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram

Tel: (31) 3409-9818

Gabinete de Crise  - Sociedade Civil - 2020